sexta-feira, maio 17, 2019

DE UMA MORTE DE UMA JOVEM PORTUGUESA NUM AUTOCARRO AMARELO NA HUNGRIA



Cada vez pior, estes filhos da puta alteram o que querem e colocaram umas células nos subtítulos que nem permitem as correções no texto que se encontra no dashboard e que nomeadamente transformaram a cor inicial das caixas dos títulos de azul e letras brancas para esta cor acastanhada visível no post anterior. Devem ser crimes de programação feitos no Word
Quero estes filhos da puta presos!
previous link
DE UMA MORTE DE UMA JOVEM PORTUGUESA NUM AUTOCARRO AMARELO NA HUNGRIA
DOS CRIMES ONLINE NESTA WILD WORLD WAR A QUE NENHUMA AUTORIDADE CONTRARIAMENTE À LEI NÃO RESPONDE
Depois de mais uma morte de uma jovem na Hungria, e de logo a seguir a ter publicado o primeiro post, os filhos da puta que tem aceso ilegal, o  apagaram, (advogada, aqui aparece) ou seja, e antes de mais estamos perante um homicídio e um crime de seguida relativo ao que sobre o homicídio vos disse, o que desvela um qualquer interesse criminoso em relação ao crime, não é preciso ser nenhum Sherlock para isto se poder deduzir com alguma elevado grau de probabilidade entre acto criminoso de apagar e o homicídio em si mesmo. Não só apagaram no blogue como apagaram do meu computador, ou seja, quem o fez é um dos que tem acesso ilegal e criminoso ao meu PC, e não há transcendência em saber, visto, que muitos o sabem menos geralmente as vítimas e é um crime recorrente. 
DA COBERTURA CRIMINOSA E DE PROTEÇÃO DE INTERESSE CRIMINOSO DE MORTE POR PARTE DO ESTADO PORTUGUÊS E DE OUTRAS AUTORIDADES MUNDIAIS
POR ESTE CRIME VOS ACRESÇO O SEGUINTE:
Como dizia no primeiro post que mesmo apagado do blogger devem ter eles uma cópia, isto é, as autoridades a deveriam de imediato pedir, e se não ao fazem é para não abrirem procedente que os obrigaria a ter que assim de acordo com a lei a proceder em todas as vezes, nomeadamente em relação aos crimes que eles próprios fazem ou que através deles são cobertos, dizia eu que tinha vindo da rua,  que na banca de Alcântara vira a capa do Publico com o acidente e me chamou à atenção os desenhos das normais expectáveis medições que se fazem nestas situações, pois não me pareceram normais, ou seja, pareceu-me ser mais uma representação de eixos tridimensionais, e evidentemente que este detalhe me intrigou.
DO VALOR DAS RISCAS NO SOLO DA ESTRADA COMO LEVANTAMENTO DO ACIDENTE
Como vos disse, consequência do apagamento imediato do post ou não, o desenho na foto de capa que se encontrava na banca nova de Alcântara e que vi num minuto se tanto, me pareceu distinto do da foto que publiquei no segundo post retirada do Publico online se Publico online, como se tivessem andando mais uma vez a retocar as marcas que estavam no chão da estrada, e sendo a perceção, como se de eixos tridimensionais se tratasse, existe aqui pelo menos uma óbvia intenção narrativa que pode ou não corresponder a verdade dos factos, que se prende com as recentes comentadas adulterações em desenhos e fotos que publiquei essencialmente relativas a dois assuntos, por um lado, os desenhos dos transferes do copo no tampo do escritório onde uma das imagens se encontra invertida, e ainda as deformações, transformação dos eixos na foto do Jardin de la Mode a Paris, uma imagem charneira no valor do verão quente em França e seguida na time line dos crimes, do incendio da Notre Dame.
A decorrente primeira questão neste ponto, é, existe alguma relação entre estas adulterações e as pessoas que iam nesse autocarro? 
Dessas adulterações terão resultados outras mortes?
Estarão diretamente ou indiretamente relacionada com as tragedias anteriores que por estes valores parecem aqui se ligarem? a foto da morta que vi também de relance me pareceu ser demasiada jovem para poder estar envolvida em alguma tragedia , portanto a existir uma relação será de parentesco, provavelmente netos ou netas, o que a assim ser, aponta mais uma vez um ajuste de contas.
DOS VALORES DAS PEÇAS E METAL TORCIDOS
Como entendível na foto online que se encontra publicada no meu segundo post sobre esta morte, se vê numa peça em frente ao autocarro, o valor de braço hidráulico de elevação com uma espécie de cesto, ou seja, como se usa por exemplo para mudar lâmpadas na via publica, de alguma forma uma valor que aqui parece ser contra ponto dos crimes recentes nas lâmpadas no meu escritório, e que tem dois valores imediatamente antes constelados, por um lado, os mais antigos, as linhas do PAC shot, Álbuns CC anos 90, e por outro lado ,o valor de Ariete presente no documento em escrita Working Progress em fotos que se encontravam digitalizadas no meu PC e que foram acedidas nomeadamente como vos fiz prova através do MSN GB, o caso da Phoenix renascida, que remete para Vila Real.
DO VALOR DO AUTOCARRO AMARELO
Como podereis verificar, existe uma referencia a um autocarro no recente texto documento incompleto publicado, “working in progress” onde a palavra autocarro está em highligth a amarelo, e é uma referência à queda do autocarro na Ponte de Entre Rios,  que por sua vez no próprio documento estabeleceu ainda uma relação com a América, ou seja, aqui neste ponto este acidente na Hungria parece relacionar-se de alguma forma com Entre Rios e ainda com América. 
Por outro lado, ainda autocarro é tema das bombas em Londres em 2007.
DO PASSE DO ADVOGADO AO CHEGAR DE ALCANTARA
Depois ao chegar ao prédio, o passe do advogado com narrado no segundo post que logo me chamou também a atenção, quanto mais não fosse porque sempre faz estas aparentes palhaçadas quando há problemas ou mortes o que pela constância e frequência deveria ser motivo mais do suficiente para o inquirir se não mesmo prender, e digo isto neste ponto, não pela causa efeito que ainda estará por determinar se assim for o caso, mas pelo passado histórico destes comportamentos, provavelmente encomendados por terceiros.
Relembro que no início da minha empresa aqui neste espaço, o advogado que sempre vi viver em condições de quem tem dinheiro, não pagava as mensalidades à Ibervial e que depois estranhamente, isto é, em forma suspeita, pelas razoes que vos detalhei,  um processo num tribunal parou, ou seja, já há muitos anos que apresentei a suspeita de crime e de envolvimento dele pelo menos neste crime que corresponde ao tempo inicial de um conjunto muito mais vasto de crimes. 

Por outro lado, este crime inicial que aqui relembro implica também crime no próprio tribunal uma das razoes certamente para o andarem a deixar fazer estes displays constantemente.
Para alem de perceber que ele estava saindo do prédio em forma apressada e síncrona cumprimentando-me como geralmente não é habito em passada larga, o que poderá ter sido devido a eu ter vindo rapidamente da rua e ele por exemplo ter cá estado dentro de minha casa, um outro detalhe do acting dele me chamou à atenção, o passe com o capacete dele, negro baço, que elevou acima da cabeça ao sair do prédio, ou seja, uma figuração e valor da semente da cama como lhe tenho vindo a chamar.
Mais me chamou a atenção este detalhe do comportamento dele, pois como vos mostro em vídeo já sem som, devido ao crime que antes fizeram antes no microfone, o facto de uma das lâmpadas do pequeno corredor de acesso ao meu escritório estar fundida ou desligada.

Como considero amplamente provado, são muitos os filhos da puta que tem controlo ilegal sobre toda a rede aqui em casa e no prédio, como da mesma forma continuam a ter no elevador.
DE UMA INFORMAÇÃO SOBRE O ACIDENTE DE SANTANA LOPES NA ZONA DE COIMBRA
Como se pode entender, esta luz, que continua hoje sem funcionar, e nem tenho eu lâmpadas dessas nem dinheiro para as comprar nem possibilidade de me deslocar neste país na mão de canalhas devido ao peso que sou todos os dias obrigado a transportar, tem uma moldura em fita tipo gafa negra que coloquei já há algum tempo como proteção contra possível entrada de bactérias ou vírus ou o que for pelos tectos falsos como diversas vezes explicado, e como se pode ver na imagem, o símbolo é um quadrado sobre um circulo, ou o circulo do quadrado, e hoje ao final a tarde vindo de táxi, me informou o condutor que o Santana Lopes e o Sinde, talvez o Pedro, tinham tido um acidente em Coimbra na estrada, que tiveram que ser desencarcerados,  ou seja, Santana Lopes/ SIC TV, o Circulo do Quadrado/ nome e valores do programa.
DO FUNDIR DA LÂMPADA E DO LUGAR DA IMAGEM DO LEÃO QUE DANÇA COM O VESTIDO DE NOITE DE UMA RAPARIGA AUSENTE
Esta lâmpada ilumina por assim dizer o lugar onde uma imagem recente se corporizou, a imagem do leão que dança (dn  aça) com o vestido de noite de uma rapariga ausente, cujas raízes mais recentes, são as que advém do Amateur photographer e do filme sobre  morte da criança no Decálogo I. (estas correlações serão porventura ainda aprofundadas na relação como 911), ou seja, o valor em soma destes factos criminosos, é de uma semente elevada de uma cama elevada, "o capacete do advogado", ou seja, alguém que o protege, se calhar o Santana Lopes, a atender a ser verdade este acidente de hoje, (dia 15 segundo info do taxista), uma qualquer relação com Coimbra onde como sabeis existem factos estranhos relatados no livro da vida, eixo Coimbra universidade de Aveiro, Canal Zero, roubos, as duas martas, a marta ataca (blogues), só para lembrar alguns pontos chaves e que estas relações, pessoas e eventos terão ainda a ver com o leão como empinado que dança com uma mulher ausente, ou seja morta, sendo que parte deste valores são ainda referentes a Diana ou assim podem também ser entendidos, e tiveram desenvolvimentos recentes como vos dei conta, através nomeadamente da Keira na TV e uma outra bela, Liverly (?), numa complexa mistificação onde apareceu também gente do outro lado do Atlântico com valores que se incluem no Advogado do Diabo, ou seja no 911 também /Amal/ Clonney.
DE UMA OUTRA LÂMPADA QUE ME TORNARAM A FUNDIR
No dia a seguir a outra lâmpada do teto do meu escritório deixou também de funcionar, a do canto em frente à parede onde trago uma das três únicas fotos que tenho durante este crime com doze anos de meu filho, a que geralmente os filhos da puta fundem ou desligam, quando por exemplo, ou me querem foder a visão como aqui em tempo recente vos dei conta, tipo uma explosão quando liguei o interrutor que projetou vidrinhos para todos os lados, ou, quando querem que eu não perceba o que andaram a preparar dentro do escritório.
DE UM OUTRO ENCONTRO COM O VIZINHO DAS MOTAS
Ontem dia 15 05 2019 a meio da tarde quando me preparava para sair de casa, o que os filhos da puta conluiados já deviam saber pois sabem a comida que tenho e me controlam em casa pelas janelas se não por outros meios no interior, a partir das casas das traseiras, comecei a ouvir barulhos aqui no escritório da parte de fora do prédio.
Quando sai estava o outro dos andares de cima, o das motas, que como sabeis, me tem feito passes síncronos ao chegar em situações de lâmpadas fundidas como vos dei conta ao temo de cada acontecer, e que deverá ser um dos habilidosos, pelo tempo e pelas ferramentas que sempre lhe vejo nas aparentes horas que passa nas vezes à volta da moto, e sendo que já não o via há largas semanas, olhei para ele sem lhe dizer nada, ele com face que me pareceu de certo pesar, a ultima vez que o vi e que com ele falei como vos relatei em vídeo, no final, apareceu o casal do advogados indo ter com ele, ainda fora do prédio, numa gestualidade que me disse, estão conluiados como se precipitassem para saber o que eu lhe teria dito na pequena conversa,  como sempre aparentemente estapafúrdia, do novo carro do filho, que tinha vindo de uma garagem de uma senhora que não o usava há mais sei quanto anos, e que ele o tinha comprado, ou seja, como se pode entender, uma outra como sempre historia ou enredo ou mistificação ou puta que os pariu a todos, nestas formas que me levam a mais uma vez a ter que gastar o meu tempo a isto explicar por causa de mais uma morte de alguém que nem sei quem é. Filhos da puta de canalhas num pais de canalhas!
Ou seja, sob o meu ponto de vista existencial, depois de uma primeira lâmpada a não funcionar síncrona com a palhaçada se palhaçada do advogado, uma outra fundida dentro do escritório e de seguida vejo o da mota que sempre me aparece mais ou menos a cada vez que uma lâmpada se funde.
DE UMA LEITURA DURANTE A NOITE E DE UMA ESTRANHA ESFERA DE BORRACHA NEGRA
Ontem durante a noite uma mosquinha que por aqui se introduziu e uma outra não mosca em cima do escritório,  que por ali esteve um tempo ou mesmo toda a noite, a mosquinha as páginas tantas me mostrou, o interior do Edito de pele, ou seja, o abajur com essa forma do candeeiro de pé que é como um florete de esgrima (aspetos 911 recentemente de novo convocada, esta questão do edito, pela (EPAL) presença na cena a que chamei em texto recente, The  Elevated Cat Walk na summit do Canada e o spot com a bela Luma / Paco Rabane).
Ao ver a mosquinha  me dei conta que mais um pedaço do forro de cartolina vermelha fora no entretanto descolado, provavelmente por isso fundiram a lampada de cima, para que eu não desse conta, e depois de mudar a lâmpada, já em noite anterior alguém fizera barulhos ali nesse zona por (PR pro) cima, ou seja, alguém que sabe o que os filhos da puta tinham andado aqui a preparar, e em verdade ao limpar de novo, visto que as dores nos pulmões se tinham agravado dei conta de uma pequena bolinha de borracha negra macia, talvez com um ou dois milímetros que me apareceu ali nessa zona do chão, e que alguém certamente lá a pôs, pois não descortino de onde poderia ter vindo tal pequeno objeto nem a sua função, e da mesma forma, depois do acidente da camioneta na Hungria, ao chegar ao escritório de novo dei conta que os filhos da puta tinham feito a  mesma preparação nas rodas da minha cadeira como vos mostrei em dia recente, ou seja, provavelmente acharam muita piada a terem matado uma vez e vierem repetir a técnica, ou a incriminação, ou a puta que vos pariu, seus canalhas nazis ladroes de crianças e assassinos !
DOS VALORES DA SPA/ SIC/MARIA JOÃO RUELLA/ ACTUAL PR, EX PR. SANTANA LOPES QUE AQUI SE ESCONDEM E SE DESVELAM
Como vos disse em comento recente, salvo erro já dois domingos atras na perola de Alcântara no plasma da SIC, a encenação era assim meia mista, enterro e grande preocupação e razoes os bandidos as teriam, pois o contexto mais alargado destas matérias e desta morte, pelo que aqui parece se desvelar, se prende com a questão da semente da cama, ou seja um tema e valor que antes de mais se relaciona com o tsunami de 2005, mas não só no sentido em que adquiriu um conjunto de outros valores ao longo dos anos relativos a outras mortes e outros territórios, sendo que como sabem os filhos da puta criminosos que tem acesso ilegal ao que escrevo, e parte deste tremendo esfoço de desvio, se prende com esse receio, são os passos relativos da analise que deriva do Amateur photographer e da pedra cubica e das relações inclusive com o 911 que se estabeleceram, ou seja, existe aqui um enorme esforço dos filhos da puta de proteção de interesses políticos, e esta afirmação nem necessita de grande esforço de prova, se vos relembrares que SIC, a assessora do atual presidente, Maria João Ruela,  Marcelo, SPA são responsáveis por parte destas ultimas construções sobre estes crimes, alguns passíveis de serem considerado como genocídios.
 Paulo forte
Lisboa 16 05 2019